Depois de um almoço saboroso, nada de muito elaborado, mas incrivelmente bem feito, fui caminhar um pouco. É bom para recuperar o foco e oxigenar a mente nesses tempos conturbados. Entro no shopping Pátio Higienópolis e resolvi experimentar um cappuccino na loja da Dengo. A chocolateria brasileira é um modelo para mim. Adoro as lojas, o atendimento cuidadoso, a informação cheia de curiosidades acerca das variedades dos chocolates, as receitas exclusivas, o impacto social que a rede gera, apoiando pequenos e médios produtores do melhor cacau do país.

Transforme aprendizado em resultados com os cursos do Mundo do CX

 

Pois bem, fiz meu pedido para experimentar o cappuccino da Dengo. Primeiramente recebi uma explicação sobre a bebida no formato degustação. Fiquei claramente impressionado, mas optei apenas por uma xícara simples.

Após poucos minutos de espera, a surpresa: recebo meu cappuccino em uma xícara de design impecável, moderno e assimétrica. A atendente me traz uma barra de chocolate cacau 70%, retira da embalagem e o mergulha na bebida. O efeito é impressionante. Ela me explica que valeria a pena fazer a degustação completa com esse chocolate derretido no cappuccino e mais uma trufa de cortesia.

Nossa mente normalmente funciona de modo a realçar o sabor do alimento consumido em caso de uma experiência cativante. Talvez por isso, eu realmente degustei a bebida com calma, sorvendo gole a gole. Foi uma experiência notável. Temperatura perfeita, textura aveludada, sabor marcante com o protagonismo suave do cacau. Ambiente calmo e aromas apetitosos das diversas variedades de chocolate me deixaram quase inebriado.

Era um cappuccino, um consumo quase trivial que se tornou um momento marcante. Foi então que pensei: se é possível transformar uma experiência prosaica como tomar uma bebida à base de café em uma experiência gratificante, porque temos de aceitar atividades triviais de modo passivo, como se a banalidade fosse inevitável?

Não, a Dengo não “gourmetizou” o cappuccino. Ela criou uma experiência de releitura da bebida italiana a partir de uma visão “made in Brazil”. Proporcionou aos clientes um jeito brasileiro de tomar um cappuccino excepcional.

Ver uma empresa tão conectada aos valores mais intrínsecos da cultura brasileira para criar uma experiência memorável em torno do chocolate é extraordinário. Durante anos ouvimos consultores gringos exaltarem o Starbucks como o espaço do meio, o terceiro ambiente entre e casa e trabalho. E por mais que a experiência do Starbucks tenha significado e seu sucesso ostentado pelas milhares de lojas mundo afora seja incontestável, ver uma empresa como a Dengo tem que nos encher de orgulho. Não existe hoje, em todo o mercado, experiência melhor quando o assunto é chocolate e café.

Ao mesmo tempo, ao reinterpretar o café, o chocolate a granel, e a combinação com nossos ingredientes mais típicos, cupuaçu, paçoca, cacau nativo, a Dengo sinaliza como transformar o trivial em uma tela multissensorial, ativando paladar, visão, olfato e tato de uma forma maravilhosa.

Isso é um pouco do jeito único com que o Brasil pode ser protagonista da melhor experiência do cliente globalmente falando. Um caminho que mostra como este país, inexplicavelmente desconfiado de si mesmo (porque resolveu politizar tudo ao invés de valorizar o que temos de bom), pode reconstruir sua vocação para crescer e proporcionar mais oportunidades para sua gente imensamente talentosa.

Na dúvida, experimente um cappuccino na Dengo. Garanto que você vai se surpreender.

Assine nossa newsletter e receba nossos conteúdos sobre o Mundo do CX


+ Notícias

Você não imagina, mas isso também é CX

O que o tabefe do Will Smith diz sobre a experiência do cliente